Notícias

Ecos da Assembleia de Junho

No domingo, dia 19 de Junho, realizou-se a assembleia mensal com o tema “ Intimidade com Deus – Dom do Espírito Santo”. Depois de uns momentos de acolhimento e animação, o assistente diocesano recordou aos irmãos presentes o tema desta assembleia, muito apropriado no mês dedicado ao Coração de Jesus. Para ajudar a interiorizar o tema, o grupo de jovens preparou uma apresentação baseada no livro “O Principezinho”: o diálogo entre o menino e a raposa, quando esta lhe pediu que a cativasse e lhe explicou que cativar alguém era criar laços, exigindo tempo, perseverança, aproximação e responsabilidade por esse alguém. É assim a nossa história humana, mas também a história da nossa vida com Deus: Ele que se vai aproximando e nós que nos vamos expondo a Ele e sendo cativados por Ele, sabendo que a iniciativa é sempre de Deus. S. Francisco de Sales diz assim: “as lebres das montanhas, no inverno, tornam-se brancas porque não vêm nem comem senão neve. À força de adorar e comer o Divino Sacramento, a Bondade e a própria Beleza, hás-de tornar-te também belo e bom”. Mas, para isso, é preciso deixarmo-nos cativar, permanecer perto d’Ele, é preciso encontrar tempo e silêncio para crescer na intimidade com Deus. É essa intimidade que é necessária no nosso grupo de oração, na nossa vida paroquial, nas nossas famílias. É preciso deixarmo-nos cativar, criar laços. Depois desta belíssima meditação sobre a necessidade e o modo de crescer na nossa intimidade com Deus, concluímos com o momento mais conseguido dessa intimidade, em que o próprio Deus se aproxima de nós do modo mais radical e sublime. Na homilia, o celebrante lembrou a grande novidade de um Deus que é Trindade; adorar um Deus que é Trindade é a grande mudança da fé cristã. Esta é a conversão de que precisamos: a passagem de um Deus considerado como poder, para um Deus adorado como há pouco meditávamos. É que Deus não é um Ser omnipotente e eterno qualquer; se o fosse, poderia facilmente tornar-se num tirano. Poderíamos confiar num Deus que fosse apenas Omnipotente? Ele não é apenas Omnipotente mas um dinamismo de amor. A Sua Omnipotência, que é real, é um poder de Quem apenas é amor e ternura infinita, na Sua própria existência; é o Amor de Deus que é omnipotente! Por isso, sempre que saímos do dinamismo do amor, corremos o risco de fabricar um deus falso, de nos relacionarmos com Ele apenas por interesse ou por medo. Deixemo-nos, pois, cativar por este Deus infinitamente Bom e Misericordioso, procurando viver em intimidade com Ele, na alegria da confiança e da esperança.

M.A.A. - 4-7-2011

Colocado por Administrador em 04/07/2011


Vigília de Pentecostes

No dia 11 de Junho, pelas 21h30, reuniram-se algumas dezenas de irmãos, de vários grupos de oração da nossa diocese, para celebrarem a vigília de Pentecostes. A celebração teve como objectivo levar-nos à descoberta de Jesus de Nazaré, e, nessa descoberta conduzida pelo Espírito Santo, tal como como aconteceu em Pentecostes, com a igreja nascente, enviar-nos a segui-lO e a anunciar ao mundo de hoje, a Boa Nova do Evangelho.
Assim, num primeiro momento olhamos Jesus, escutando a Sua Palavra e contemplando a Sua vida; e mais uma vez, descobrimos a fantástica novidade e actualidade das suas propostas, dos caminhos sempre novos que Ele nos aponta, da verdadeira revolução de valores contida nas Suas mensagens: amar a todos, mesmo os que nos magoam, rezar pelos que dizem mal de nós, lutar contra o individualismo que estrangula as nossas comunidades e proclamar uma nova civilização do “nós , iguais em dignidade e valor. Reaprendemos, conduzidos pelo Espírito, que o que verdadeiramente agrada a Deus e dá sentido à vida é SERVIR, sobretudo os mais pequeninos, os desprezados e abandonados, ou seja os “predilectos” de Jesus.
Num segundo momento, procuramos olhar o mundo com os olhos de Jesus, descobrir os sinais de insatisfação, de insegurança, de sede de espiritualidade, de necessidade de aspirar “aos dons do alto”; o mundo já não responde às aspirações mais profundas do ser humano e assiste-se ao desenvolvimento duma globalização da compaixão pelas vítimas da injustiça e da guerra.
Num terceiro momento, fomos desafiados a seguir Jesus. Devemos ser no mundo os pés, as mãos, o olhar de Jesus; muitas vezes, como os apóstolos no cenáculo, trancamos as portas, cheios de medo das críticas, das calúnias, das perseguições e os nossos grupos de oração, as nossas paróquias não crescem, não frutificam. Não cessemos de, em comunidade, com perseverança orar ao Espírito Santo para que derrame abundantemente, sobre os nossos grupos e as nossas paróquias, os seus dons para nos fortalecer e conduzir no trabalho que nos espera lá fora, para maior glória de Deus.
Reconhecendo que «ninguém pode dizer que “Jesus é o Senhor! se não for movido pelo Espírito Santo» professamos a nossa fé em Jesus Cristo.
Então, preparados para a luta diária pela causa do Reino, recebemos a bênção final.

A Deus, toda a honra e toda a glória!

(M.A.A.) - 17-6-2011

Colocado por Administrador em 17/06/2011


Ecos da XXXVI Assembleia Diocesana - 2011

Realizou-se nos dias 6, 7 e 8 de Maio a XXXVI Assembleia do R.C.C. desta diocese, o momento mais emblemático do plano de actividades do ano pastoral. O tema proposto era “MARIA, TEMPLO DE DEUS E ESPOSA DO ESPÍRITO SANTO” e para orientar os ensinamentos, tivemos a grata presença da Irmã Luísa Almendra, do Sagrado Coração de Maria. Na noite de sexta-feira e, para nos introduzir no tema, o grupo de jovens apresentou uma encenação, simples mas muito bem conseguida, da vida de Maria. Depois de invocarmos a vinda do Espírito Santo sobre todos os presentes, para que os corações e as mentes se abrissem e, à semelhança de Maria, acolhessem tudo o que Deus quisesse fazer, foi feita uma breve apresentação da Irmã Luísa. A noite terminou com uma oração pelas famílias, exortando a que mães e pais não se demitam das suas responsabilidades de educadores e guardiães dos seus filhos, deixando-se contagiar pela mentalidade actual do facilitismo e comodismo mas que, a exemplo da família de Nazaré, pelo exemplo e pela autoridade, sejam os transmissores dos valores morais às novas gerações. O sábado começou com a oração de Laudes, a que se seguiram dois ensinamentos, terminando a manhã com a oração do terço. De tarde, mais um ensinamento e a eucaristia presidida pelo nosso bispo Dom Manuel Clemente que, actualizou para nós, o texto do evangelho, verdadeira catequese para os actuais discípulos de Emaús que somos todos nós. Seguiu-se um tempo de adoração silenciosa ao Ss. Sacramento, como prelúdio e preparação para a noite de louvor e intercessão, em que o Senhor foi tocando o coração de todos, curando e renovando. O domingo iniciou-se com a oração de laudes, seguindo-se o último ensinamento e o hino mariano Akathisthos, cantado com muita emoção por toda a assembleia. Da parte da tarde, oportunidade para um breve diálogo com a Irmã Luísa e a Eucaristia de encerramento presidida pelo assistente diocesano que centrou a sua homilia no sentimento de tristeza que tomou conta dos discípulos de Emaús, reflectindo connosco como ela pode ser destrutiva. Um cristão é aquele que deixa que a sua tristeza seja iluminada pela Palavra, é alguém que vai à fonte, que, nos momentos difíceis, sabe encontrar um companheiro de viagem que abre para a esperança. Foram dias plenos, vividos em comunhão, à maneira das primeiras comunidades: assíduos ao ensino dos apóstolos, à oração e à fracção do pão e sempre com Maria. Aprendemos que a grandeza de Maria vem de Jesus; a Sagrada Escritura fala muito de Jesus e pouco de Maria; habituemo-nos a ver em Maria uma pessoa igual a nós, real, não tanto os seus privilégios mas as suas virtudes escondidas. A verdadeira forma de honrar Maria é engrandecer Aquele que fez maravilhas nela; os Magos que viram? Uma mãe com um menino. Que fizeram? “Prostrando-se, adoraram-nO” . Maria é o altar sobre o qual Jesus está colocado. Maria deve ser vista como uma casa onde se vai para encontrar Jesus, como os magos, não para ficar em Maria. As últimas palavras de Maria no evangelho de João são:”Fazei o que Ele vos disser”; a partir daí desaparece para só aparecer junto à cruz, naquele que é o testamento de Jesus: deixa o que tem de mais importante. Momento solene: uma mãe é oferecida a todos os discípulos de todos os tempos. Jesus torna-nos filhos de Maria, como Ele foi filho de Maria. E Maria estava presente no início da Igreja, no Pentecostes (último trecho do NT em que se fala de Maria). É numa comunidade orante, que se encerra o falar de Maria, a mãe de Jesus; é à volta dela que a comunidade cristã cresce. O dom do Espírito Santo é dado aos discípulos, não a Maria que já era esposa do Espírito Santo: Maria é como o íman que atrai o Espírito para os discípulos. A partir desse momento em que o Espírito Santo intervém, ela retira-se e volta ao silêncio activo em que viveu os 30 anos de Nazaré. Obrigada, Irmã Luísa, por estes preciosos ensinamentos que nos ajudaram a compreender a raiz bíblica da devoção mariana para melhor honrarmos a nossa Mãe do Céu.

M.A.A. - 29-5-2011

Colocado por Administrador em 29/05/2011


6º Aniversário A Boa Semente - Valbom

O grupo de oração A Boa Semente comemorou o seu 6º aniversário no dia 2 de Maio com uma celebração Eucarística, às 21 horas, na Igreja Paroquial de S. Veríssimo de Valbom, local onde o grupo reúne semanalmente em oração. Presidiu o assistente diocesano, Pe. Magalhães, tendo concelebrado o pároco, Pe. Manuel Paiva. A animar a celebração, esteve o grupo Círio, desta paróquia. Na homilia, o assistente diocesano exortou-nos a ter um olhar positivo sobre os acontecimentos, a seguir em frente, numa atitude de Louvor a Deus e não de lamentação, a exemplo dos discípulos, convidando todos os presentes a meditar, em casa, o texto da 1ª leitura, Act 4, 20-30. Depois da Eucaristia, vivida em acção de graças por todas as bênçãos derramadas ao longo destes 6 anos, seguiu-se a oração do Santo Terço meditado e cantado, em honra da nossa Mãe do Céu. Connosco, a festejar este aniversário, estiveram presentes alguns elementos da equipa de serviço diocesana, bem como irmãos de outros grupos de oração e outros amigos da paróquia o que nos deu uma grande alegria. A festa terminou com um agradável convívio entre todos os presentes. Ao Senhor nosso Deus, toda a Honra e todo o Louvor!

Grupo de oração A Boa Semente - 12-5-2011

Colocado por Administrador em 12/05/2011


XXXVI Assembleia do Renovamento Carismático Católico do Porto

Realiza-se nos dias 6, 7 e 8 de Maio de 2011, na Casa Diocesana de Vilar, com o tema “MARIA, TEMPLO DE DEUS E ESPOSA DO ESPÍRITO SANTO”, orientado pela Drª Luísa Almendra, irmã do Sagrado Coração de Maria e professora universitária. A conferente é presença habitual no programa Ecclesia (RTP2), na Rádio Renascença e em muitos encontros por todo o país. É uma mulher da Palavra, Palavra de Deus, acima de tudo. Nas suas palavras ‘A Palavra de Deus continua a ser o lugar referencial de toda a minha vida. É lá que vou sempre fortalecer os meus cansaços ou dar voz às pequenas alegrias ou tristezas de cada dia. Muitas vezes receio as viagens ou as multidões, mas as palavras de Simão Pedro vencem sempre em mim “Por causa da Tua Palavra lançarei as redes”(Lc5,5) Nota: as inscrições podem ser feitas no Secretariado Diocesano do RCC, Seminário de Vilar, Porto


Programa:

Sexta-feira – 6 de Maio

    21h00 – Acolhimento
    21h30 – Apresentação da Assembleia e da Oradora
    Tempo de invocação do Espírito Santo e Louvor
    23h00 – Despedida

Sábado – 7 de Maio

    09h30 – Laudes
    10h10 – 1º Ensinamento
    11h30 – 2º Ensinamento
    12h30 – Terço
    13h00 - Almoço
    15h00 – Animação e Louvor
    15h30 – 3º Ensinamento
    16h30 – Intervalo
    17h00 – Eucaristia presidida por D. Manuel Clemente e
                  Adoração ao Santíssimo Sacramento
    19h30 - Jantar
    21h00 – Grande Louvor e intercessão
    22h45 – Despedida

Domingo – 8 de Maio

    09h30 – Animação e Laudes
    10h15 – 4º Ensinamento
    11h30 – Celebração Mariana (Akatistos)
    13h00 – Almoço
    15h00 – Diálogo com a oradora
    16h00 – Eucaristia final

Colocado por Adosinda Alves em 30/04/2011


Ecos da assembleia de Abril

No domingo, dia 17 de Abril, realizou-se a assembleia mensal com o tema “ Vida que desponta - Fruto do Espírito Santo”. Depois da animação e acolhimento, o nosso assistente diocesano recordou-nos o tempo especial que estávamos a viver; num tempo dos produtos Light, do mais ou menos, da vida soft, Deus chama-nos a um compromisso sério. Não podemos ser cristãos suaves (analogia ao “Português Suave”); nesta semana, a Semana Maior, temos de nos preparar arduamente para a Páscoa. Sentindo a nossa fragilidade, invocamos com grande fervor a vinda do Espírito Santo que veio derramar a sua graça e poder sobre os irmãos presentes, levando-os a saborear, em silêncio, a presença consoladora e pacificadora do Senhor, que veio ao meio do Seu povo, que o aguardava, sequioso do Seu Amor. E adoramos o Senhor que veio morar no nosso coração. Deixamo-lo trabalhar em nós, confiantes, e bendissemos o Senhor pelas maravilhas que Ele ia operar. Seguidamente, fomos convidados a olhar com atenção a vida nova que vai pululando por aí: a flor que desabrocha, a pequenina planta que brota da terra, as aves que se afadigam a fazer os ninhos, as mulheres grávidas. Fomos todos convocados a um grande louvor à Vida e bendissemos e louvamos o Senhor pelas crianças, pelos casais, pelos sacerdotes. Em Domingo de Ramos e fazendo memória da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, um elemento de cada grupo de oração presente recebeu um ramo, que foi benzido, acompanhando o cortejo inicial da Eucaristia, e ficando junto do altar durante toda a celebração. Comentando o texto de S. Mateus, que narra a Paixão do Senhor, o celebrante levou-nos a meditar o mistério do sofrimento. Pelas nossas próprias experiências pessoais, sabemos que, quando a cruz bate forte, é o mesmo grito que sai do nosso peito: ”Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?” No meio da dor, apetece-nos dizer: Meu Deus, porquê? Porque te escondes? Porque não me mostras o Teu rosto? É o grito de Jesus! Mas aqueles que se entregam, dizendo “ Está tudo consumado”, ouvirão a resposta do Senhor, a seu tempo. Jesus Cristo disse essa mesma frase, em espírito de oferta e não de desalento. Se continuarmos a rezar o salmo que Jesus rezou (Slm 22), vemos que ele termina em esperança. Ponhamos o nosso olhar na cruz; é importante saber quem está suspenso da cruz. Para uns, um malfeitor, um rei de fantasia; para outros, um rei de misericórdia. E para ti, quem está ali suspenso? O teu Senhor? Aquele que morreu por ti! É Ele que, continuamente, perdoa os teus pecados e te acolhe na Sua Infinita Misericórdia. Terminamos a Eucaristia, dispostos a viver cheios de esperança a Semana Santa, para acolhermos, em júbilo, o Senhor Ressuscitado. (M.A.A.)

Colocado por Adosinda Alves em 30/04/2011


36º Aniversario do Grupo Agua Viva

No dia 12 de Abril de 2011,o grupo Agua Viva levou a cabo a comemoração do seu 36º aniversário, na Igreja de Lordelo do Ouro, no Porto, a partir das 21 horas. Esta festa iniciou-se com a celebração da Eucaristia, presidida pelo assistente diocesano do RCC, Sr .Padre Magalhães, e concelebrada pelo pároco de Lordelo do Ouro Sr.Padre Domingos. O tema principal da Eucaristia ,foi a cruz, que colocada ao fundo da capela mor, ficou voltada para a assistência, que se situou na nave principal da igreja. Momentos houve em que a cruz estava bem iluminada e noutros momentos com pouca luz. Todos foram convidados, a olhar Cristo na Cruz.-“O olhar fixo na cruz não é apenas ver uma imagem, mas um convite a que o nosso olhar se proste diante do Senhor, como comunicação, como contemplação e meditação;um olhar para o Senhor que pela força do Espírito encarnou e ressuscitou ; o olhar de Cristo para nós, e nós para Cristo, como aconteceu com os apóstolos e agora com o povo de Deus.” Agua Viva louva, bendiz e agradece a presença viva do Espírito Santo na nossa tenda, na nossa morada e no meio de todos nós e em cada um de nós. Agua Viva agradece a todos aqueles que estiveram presentes, nomeadamente ao Sr.Padre Magalhães que nos honrou com a sua disponibilidade e com a sua mensagem,e ao Sr .Padre Domingos, cuja presença enriqueceu a nossa festa. Agradecimentos sinceros ainda aos membros da equipe diocesana, aos responsáveis dos grupos de oração, núcleos e demais membros,bem como aos elementos do coro que animaram a Eucaristia. Finalmente um muito obrigado a todos aqueles que de algum modo contribuíram para que este aniversário fosse comemorado. Foram recordados e homenageados com gratidão e saudade todos aqueles que, fizeram parte deste grupo de oração e que agora gozam da companhia do Pai do Céu.. A todos aqueles que impulsionados e cheios do Espírito Santo,na alegria e no amor de Cristo, e que através dos seus dons e carismas nos sabem guiar e orientar, no caminho da vida nova do Espírito, a nossa admiração e gratidão. A todos um muito Obrigado ! Terminou a festa com um animado e fraterno convívio de amizade e união durante a partilha de um pequeno lanche. Que a fonte de Água Viva do Espírito brote continuamente no coração de todos nós, agora e sempre… Foi este o sentir e a mensagem do Grupo Agua-Viva na sua festa do seu 36º Aniversário.

Grupo Agua Viva - 16-4-2011

Colocado por Administrador em 16/04/2011


35º Aniversário do Grupo Tabernaculo de Santa Maria

O Tabernáculo de Santa Maria celebrou na Capela do Senhor do Socorro, o seu 35º aniversário no dia 26 de Março com a realização de uma Eucaristia presidida pelo assistente diocesano do RCC, Pe. Magalhães. Assinalaram a sua presença irmãos de outros grupos que deste modo expressaram a sua proximidade em Cristo para com o grupo em festa e em particular para com a coordenadora, a Almerinda. Na homilia o Pe. Magalhães salientou os sinais da presença de Deus na Sua Igreja:" tanta generosidade, tanta fome mitigada, tanta alegria dada e recebida, tanta intimidade vivida à porta dos sacrários, tanta gente curada, tanta gente a gastar o seu tempo e energia a anunciar o Evangelho nesta santa loucura de anunciar o Reino de Deus e por isso tanta gente convertida ao jejum, ao silêncio contemplativo...". No final houve ocasião para um lanche, ocasião para convívio entre todos. De parabéns estão quantos em Cristo contribuíram para o aniversário deste grupo que ao longo dos seus 35 anos de existência foi canal de transformação de vida em muitos irmãos alcançados pela graça do Senhor Jesus em inúmeros momentos de louvor e escuta da Palavra de Deus.

O Grupo Tabernáculo de Santa Maria - 10-4-2011

Colocado por Administrador em 10/04/2011


Ecos da Assembleia de Março

Realizou-se no domingo, dia 13 de Março, a habitual assembleia mensal com o tema “ Ascese como abertura ao Espírito Santo”. Depois de um tempo de acolhimento e louvor ao Senhor, invocou-se o Espírito Santo para que se derramasse sobre todos os presentes, preparando as suas mentes e corações para acolher e guardar o ensinamento que D. João Lavrador ia proferir sobre o tema da assembleia. Como introdução, o nosso bispo lembrou que este é um tempo importantíssimo para olhar para nossa relação com Deus, frisando que a Quaresma não nos leva apenas à Páscoa da Ressurreição mas aos 50 dias pascais, até ao Pentecostes. Quanto ao tema “Ascese”, referiu que, embora se tenha deixado de falar da ascese cristã, surgiram muitas técnicas humanas para alcançar uma vida saudável e bela. Ora, fazer da vida algo de belo, como nos incentivou o Papa Bento XVI aquando da sua visita, tem a ver com o Amor! Aquilo que não está bem no nosso interior reflecte-se no físico e, por isso, tudo quanto se faz ao físico, se manifesta no nosso interior. Quando o Amor é vivido, há saúde total; quando não há Amor, a saúde perde-se. Por isso, o pecado afecta-nos profundamente, destrói a nossa relação com Deus, connosco, na nossa unidade, e com os irmãos. Lembrou de seguida o texto de Isaías 58, 6-7 “Qual a ascese que Me agrada” e o de S. Paulo em 1 Co 9,25, quando compara a nossa vida com a corrida do atleta; o prémio, que é a graça divina, só se alcança com os treinos, com o esforço em nos fortalecermos. Então, fazemos sacrifícios para obter uma coroa corruptível e para alcançar uma incorruptível, não fazemos? “Aspirai às coisas do alto” – ascese significa ir mais além, subir à montanha. Podemos falar de duas dimensões da ascese: a ascese moral - que implica uma vontade muito forte de nos vencermos a nós próprios e a ascese mística – união e comunhão com Deus, abandono total à Sua vontade. Uma deve levar à outra. A ascese exige, pois, recolhimento interior: “entra no teu quarto e fecha a porta” não significa encerrar-se, mas abrir-se a Deus. Depois deste belíssimo ensinamento, muito rico e profundo, seguiu-se a eucaristia presidida pelo assistente diocesano que, meditando o texto da carta aos Romanos “Por um só homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte” se interrogava: será que, quando pecamos, temos consciência disto? Que o pecado mata? Se tivéssemos essa consciência, quando a tentação me assola, quando o tentador me aborda subtilmente, eu diria NÃO! No fundo penso: o pecado não é tão mau como isso e somos levados pela insídia do tentador – toda a gente faz assim ... Sabemos que, no princípio, Deus não criou a morte, e, se temos tanto horror à morte, pensemos que foi pelo pecado que ela apareceu. Este é um tempo especial de ascese e de luta para não sermos vencidos pelo pecado mas, se ele acontecer, ajoelhemos junto à cruz do Senhor e deixemos que o Seu sangue nos lave e restitua à vida. Nota: O texto do ensinamento de D. João Lavrador pode ser consultado na nossa página em www.rccporto.com

M.A.A. - 25-3-2011

Colocado por Administrador em 25/03/2011


Aniversário dos Grupos O Bom Pastor, Nova Jerusalém, Paz e Alegria e Projecto de Deus

No passado dia 27 de Fevereiro, do corrente ano de 2011, no Santuário de Santo António, na cidade de Vale de Cambra, celebraram os seus aniversários os seguintes grupos de oração do Renovamento Carismático Católico da Diocese do Porto: "BOM PASTOR" de Oliveira de Azeméis, no seu 14°, "NOVA JERUSALEM" de Ovar, no seu 15°, "PAZ E ALEGRIA" de S. João da Madeira, no seu 26° e "PROJECTO DE DEUS" de Vale de Cambra, no seu 16°. Neste Domingo, Dia do Senhor e Dia da Ressureição, partilhamos com grande júbilo e uma enorme esperança, a caminhada que estes quatro grupos de oração têm feito ao longo dos anos de toda da sua existência. Acompanhados pelo nosso Assistente Pe. José Alberto Magalhães, pelo pároco da comunidade de Nossa Senhora da Purificação, de Vila Chã e ainda por dois sacerdotes missionários da BOA NOVA, Pe. Tomás Borges e Pe. Francisco. Celebramos a nossa fé com muita animação, profundo louvor e muita intimidade na adoração ao Santíssimo Sacramento. Na adoração experienciamos a grande misericórdia e a envolvente ternura com que Deus revelado no Seu Filho muito amado Jesus - exposto no seu trono e em tão maravilhosa Custódia - contemplava todos os seus filhos e derramava bênçãos de grande amor, porque nunca se esquece de nós, que nos diz na Palavra: "ainda que uma mãe se esquecesse do seu filho, Eu não te esqueceria". Encerramos o prólogo desta festa com o ponto mais alto e o grande momento de Acção de Graças - A SAGRADA EUCARISTIA, presidida pelo nosso querido Pe. Magalhães e concelebrada pelos outros três sacerdotes acima nomeados. Em autêntica e verdadeira comunhão escutamos e celebrámos a Palavra do Senhor que nos falava da Divina Providência, do desprendimento a que todos somos chamados a fazer em cada dia, e que o nosso P.e Magalhães soube tão bem traduzir na linguagem do mundo de hoje e tocar a cada um de nós ali presentes durante a sua brilhante homilia, acerca dos excessos que temos, que não nos pertencem de todo e que necessitamos de partilhar em autêntica caridade. Para além dos grupos aniversariantes, tivemos a enorme alegria da presença de tantos grupos de oração carismática da nossa Diocese do Porto, bem como de elementos do Secretariado que sempre se fazem presentes em todos os aniversários e queremos destacar a presença do nosso querido e estimado coordenador Artur Amorim. Já bem no final, os sorrisos nos lábios e alegria de felicidade nos rostos, os cumprimentos, as despedidas e também a grande certeza que o Divino Espírito Santo esteve bem vivo, actuante e presente fazendo jorrar enormes e extensos rios de Água Viva para todo o Povo de Deus que tem sede e O procura incessantemente. Agradecemos ao Senhor nosso Amado Deus, a Sua Presença ao longo de todos estes anos, pois que, só Ele opera e faz grandes maravilhas.

OS GRUPOS ANIVERSARIANTES - 22-3-2011

Colocado por Administrador em 23/03/2011


17º Aniversário do Grupo Luz de Cristo

Foi no dia 17 de Fevereiro, no Santuário Nª Srª da Paz, Vila Nova da Telha, que o Grupo de Oração Luz de Cristo celebrou, em festa e com muita alegria, o seu XVII aniversário. Era uma noite especial! Noite de louvor e acção de graças ao Senhor nosso Deus por todos estes anos de oração a que se uniram irmãos vindos de outros grupos da nossa diocese bem como amigos da paróquia. A Eucaristia presidida pelo nosso assistente diocesano, Senhor Pe. Magalhães contou também com a presença do Diácono da nossa paróquia. À Eucaristia seguiu-se um momento de Adoração. Após as leituras do dia, Génesis 9, 1-13 e Marcos 8, 27-33, pudemos escutar a homilia do celebrante que da 1ª Leitura nos falou sobre a aliança que Deus estabeleceu com o seu povo e a nossa obrigação de respeitar a vida, a nossa própria vida e respeitar a natureza, preservando-a na sua beleza. Do Evangelho surgem quatro considerações: 1º, a pergunta de Jesus: “Quem dizeis vós que Eu sou?”; 2º, a resposta de Pedro: “Tu és o Cristo”; 3º, caminho para Jerusalém – era preciso o Filho do Homem sofrer, ser rejeitado, morto e que ressuscitasse ao fim de três dias; 4º, Pedro quer “ensinar” o Mestre como fazer. Também nós muitas vezes queremos Deus à nossa medida, segundo o que nos convém. Não deixamos que Deus seja Deus. Eis aqui o grande desafio: deixar que Deus seja Deus em nós! Assim, depois da Eucaristia, adoramos e glorificamos a Sua presença no SS. Sacramento. Reconhecidos, lhe demos graças pela Sua ternura, pelas Suas maravilhas e sentimos o Seu amor a derramar-se em nossos corações quando Jesus passou no meio do Seu povo. Abençoou a todos com a Sua graça e a Sua paz. A Jesus, toda a honra, toda a glória e todo o louvor!

MC - 1-3-2011

Colocado por Administrador em 02/03/2011


Ecos da Assembleia de Fevereiro

No domingo, dia 13 de Fevereiro, realizou-se a assembleia mensal com o tema “ Caridade - O fruto mais maravilhoso do Espírito Santo”. Depois dum tempo de animação e acolhimento dos irmãos que vieram pela primeira vez, os jovens do RCC ilustraram, através duma encenação, como uma família desestruturada, onde imperavam a incompreensão e desunião, se foi deixando transformar, através do acolhimento, amor e oração de outros irmãos, restaurando a união e comunhão. Seguidamente, o tema foi desenvolvido por D. António Taipa que nos começou por dizer que na obra de Jesus Cristo, a nossa grande vitória foi termos merecido o dom do Espírito Santo. Aos apóstolos que Ele escolheu para continuar a Sua obra e que estavam cheios de medo e de incertezas, Ele prometeu o Espírito, aquele que seria a sua coluna, que lhes recordaria o que eles já tinham esquecido e lhes explicaria o que eles ainda não tinham compreendido. E é assim que o Espírito cria a Igreja, a recria, acompanha e conduz. O grande objectivo de Jesus é reconduzir os homens à unidade e essa unidade que Ele pediu ao Pai tem como força aglutinadora o Espírito Santo que é esse Amor que circula entre o Pai e o Filho e se derrama em nós. A caridade, antes de ser um gesto exterior, é uma atitude interior daquele que se deixa amar. É por esta caridade que o crente se identifica com Jesus no amor que Ele tem aos homens. Daí, Paulo afirmar: ”Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”. Quem, pelo Baptismo está enxertado em Cristo, é projectado na eternidade, todas as nossas acções adquirem dimensão divina. O amor já está em nós, basta que o deixemos expandir e lhe demos corpo na nossa vida. A caridade é a própria essência da Igreja; a vida da Igreja assenta em três pilares: serviço da Palavra (pregação), serviço da Liturgia e serviço dos outros na caridade, mas este último é que nos diz da verdade do primeiro e da dimensão existencial do segundo. Sem a caridade, a pregação é conversa vazia e a Eucaristia apenas ritual. A caridade introduz-nos na intimidade da Santíssima Trindade e faz-nos viver a vida de Deus, dá dimensão divina à nossa vida. Seguiu-se a Eucaristia presidida pelo sr. Bispo e concelebrada pelo assistente diocesano e pelo pároco de Santiago de Subarrifana. Na homilia, o senhor bispo falou da nova lei instituída por Jesus, que não veio abolir a antiga, mas antes dar-lhe a força necessária para transformar os corações de pedra em corações de carne. É a nova lei do Espírito que mostra os caminhos da verdade e da vida e dá força para os trilhar, que ensina uma nova linguagem: a do amor. Qua nos une, na diversidade dos carismas e dos ministérios. É esta presença que, transformando-nos interiormente farão com que os nossos gestos e acções tenham valor eterno. Deus andou milhares de anos a preparar os homens para receber o Seu Filho que nos remiu e salvou. Vivemos o tempo da salvação, somos pessoas salvas. Demos graças a Deus por esse amor depositado em nós e que Ele nos ajude a entender a grandeza dos nossos gestos, dos maiores aos mais pequeninos.

M.A.A. - 19-2-2011

Colocado por Administrador em 19/02/2011


31º Aniversário do Grupo Santos Anjos e Santa Maria, de Campanhã

O grupo de oração Santos Anjos e Santa Maria, de Campanhã, celebrou o seu 31º aniversário, no passado dia 31 de Janeiro na Capela de São Roque da Lameira. Depois do acolhimento e animação, houve um tempo de adoração ao SSmo. Sacramento, seguindo-se a Eucaristia presidida pelo assistente diocesano e concelebrada pelo pároco Pe. Milheiro e pelo Pe. Manuel Carvalho. Na homilia, o celebrante lembrou que a Igreja proclama o poder libertador de Jesus, qualquer que seja o nosso estado, não apenas quando andou sobre a terra, mas hoje, ressuscitado, no meio de nós; no episódio do evangelho (Mc 5, 1-20), todos viram o que tinha acontecido (o homem completamente curado) mas pedem a Jesus para Ele ir embora … E porquê? Não quiseram deixar-se transformar, tiveram medo de se aproximar de Jesus, de ser tocados pela Sua graça, preferiram continuar nos seus túmulos, mantendo Jesus a uma prudente distância. É o que nós fazemos muitas vezes: basta a missa dominical, algumas orações, mas se Ele pede mais …. Uma exortação: se hoje ouvirdes a voz do Senhor, não O afasteis, não O mandeis sair do vosso território mas segui-O, como fez S. João Bosco cuja memória se celebra. Foram momentos de graça e misericórdia e de louvor ao Senhor pelas graças derramadas sobre todos aqueles que passaram por este grupo de oração. A Deus todo a honra e todo o louvor!

Colocado por Administrador em 07/02/2011


Aniversário de 4 Grupos de Oração

Como vem sendo habitual, os grupos de oração Estrela da Manhã, Fermento de Amor, Rainha dos Anjos e Sol Nascente celebraram conjuntamente o seu aniversário, este ano na Igreja de Arcozelo, no dia 16 de Janeiro. Depois de um tempo de acolhimento e animação, seguiu-se um ensinamento do Dr. José Luís Oliveira sobre a dinâmica da oração no Renovamento Carismático, salientando alguns aspectos que deveriam ser reforçados, sobretudo no tempo de desânimo que estamos a viver. Citou alguns estudos que comprovam que a fé e a oração ajudam a manter uma vida mais saudável, dando um novo olhar sobre problemas de saúde que possam surgir. Referiu que a adoração é um momento supremo de cura e incentivou a que imitemos Jesus na sua forma de olhar e tocar para curar. Devemos tornar activo o olhar através de um gesto de ternura para gerar esperança. Seguiu-se a adoração ao SSmo Sacramento, em que Jesus olhou e tocou todos os presentes com o seu amor poderoso. E a festa encerrou com a Eucaristia presidida pelo assistente diocesano e concelebrada pelos párocos de Gulpilhares, S. Félix da Marinha e Sermonde. Foi um momento de louvor e acção de graças à Trindade Santíssima por todos os dons concedidos e derramados na vida dos quatro grupos aniversariantes. Ao Senhor das nossas vidas, toda a honra e todo o louvor, agora e para sempre! (ver galeria)

Colocado por Administrador em 29/01/2011


Ecos da Assembleia de Janeiro

Realizou-se no domingo, dia 10 de Janeiro, a nossa assembleia mensal com o tema “Amor familiar – Manifestação do Espírito Santo”. À entrada do auditório, diversos cartazes pediam que cada irmão entrasse e se sentasse com alguém não conhecido. O assistente diocesano pediu então que conversando, procurassem conhecer essa pessoa. Assim, pudemos descobrir afinidades, não porque pertencíamos à mesma família biológica mas sim a uma outra família, a grande família dos filhos de Deus, constituída a partir do Batismo. Depois, os jovens, com uma dinâmica expressiva, ilustraram o tema da assembleia. O assistente diocesano leu a carta enviada pelo Sr. D. Manuel Clemente aos irmãos do RCC por ocasião do Natal, em que, no seu jeito de pastor atento e carinhoso, nos saúda e exorta ao esforço de formação, incentivando à missão a que o Espírito Santo continuamente nos convida. Nesse esforço contínuo de formação, seguiu-se o ensinamento do Sr. D. João Miranda que nos começou por dizer: “Hoje é dia de manifestação do Espírito na liturgia, na forma de pomba, ouvindo-se a voz de Deus a apresentar o Filho”. Deus não vive só, é uma família. Santo Agostinho dizia que o Pai é o Amante, o Filho é o Amado e o Espírito Santo é o Amor. Deus é uma fornalha de Amor. O Papa diz que o homem anseia por uma alegria infinita; temos que revelar ao mundo que essa alegria só pode vir de Deus. Deus, ao chamar o homem à existência por amor, chamou-o ao amor. O homem só se realiza no amor porque Deus o criou à Sua imagem e semelhança e Deus é Amor. Assim, a família vive pelo amor; onde está aqui o Espírito Santo? Desce sobre cada filho da Igreja, em cada fase da vida, para reacender o amor todos os dias no coração de cada um e no seio da família, fazendo-os caminhar para a unidade e para a comunhão. Porque é que não vemos isso acontecer? Porque Deus está ausente das famílias, das relações sociais, do mundo. A humanidade tem sede do Deus vivo. Não basta desejar a Paz no início do ano; é preciso fazê-la. A assembleia encerrou com a Eucaristia presidida pelo Sr. D. João que, na sua homilia, nos falou de como o Batismo de Jesus é este abrir dos céus que estavam fechados. Jesus não precisava de ser circuncidado, nem batizado, nem crucificado; Deus tinha muitos outros modos de nos salvar, mas na Sua Infinita Sabedoria, tinha de ser assim: fazer-se um de nós e deste modo libertar-nos. Apesar da catequese e dos sacramentos, muitos ainda não foram tocados. Não nos admiremos desta crise, desta sociedade corrompida, da natureza que se rebela, não procuremos outros culpados. A raiz é o nosso pecado. Jesus foi batizado para melhorar o mundo; nós fomos batizados para colaborar em mudar o mundo. A crise é moral. Temos de recorrer às fontes da graça. Enquanto não cumprirmos a nossa parte, o mundo não melhorará. (M.A.A.)

Colocado por Adosinda Alves em 13/01/2011


Ecos da Assembleia de Dezembro

No domingo, dia 12 de Dezembro, realizou-se a assembleia mensal com o tema “ Gestos e atitudes na Liturgia”, orientado pelo Sr. Cónego João Peixoto. Numa linguagem acessível e coloquial, desenvolveu o tema que, dado o condicionamento do tempo disponível, não pôde ser tão exaustivo quanto seria necessário. Começou por colocar duas observações prévias: primeiro, as normas referem-se apenas às celebrações litúrgicas, nomeadamente à Eucaristia e não à oração pessoal ou em grupo – enquanto nestes, os comportamentos podem ser mais informais, na Liturgia, tesouro da Santa Igreja e bem comum do Povo de Deus, deve obedecer-se às regras da Sé Apostólica, Conferências Episcopais e Bispo da diocese; segundo, não pode haver mística sem ascese, isto é, devemos abdicar da nossa subjectividade e caminharmos com Jesus Cristo, o sumo orante, renunciando às nossas preferências e incorporando-nos em Cristo Igreja. Nenhuma outra acção da Igreja iguala a celebração litúrgica em dignidade e eficácia. Entrando depois no tema das atitudes, referiu que ele pode ser mais amplamente estudado na Instrução Geral que acompanha o Missal Romano, nºs 42 a 47. A observação duma atitude comum de todos exprime a unidade da assembleia celebrante. Explanou depois as atitudes principais: de pé (expressão de presença, prontidão para a acção, disponibilidade) – a sentinela está de pé, mas também tem o sentido de ressurreição e expectativa; prostração, imagem da oração mais humilde (unido à terra, reconhece a distância entre o Deus criador e a Sua criatura); de joelhos, exprime o arrependimento dos penitentes, a súplica ardente dos pobres, adoração. Contrariamente aos que dizem que rezar de joelhos é do tempo da Idade Média, explicou que esta atitude está na Bíblia, citando os exemplos de Estêvão, antes do martírio, Pedro em Joppe (Act 10), Paulo (Fil 2, 10). Concluiu, indicando os momentos da Celebração em que devem ser adoptadas as atitudes referidas. O assistente diocesano agradeceu a disponibilidade do Sr. Cónego Peixoto, os seus preciosos esclarecimentos, lamentando que o tempo tenha sido insuficiente para tão interessante como necessário ensinamento. Seguiu-se a Eucaristia, vivida em perfeita unidade de sentimentos e atitudes, no seguimento de Jesus, o nosso modelo de orante. Na homilia, o celebrante lembrou a publicação da Exortação do Papa sobre a Palavra de Deus, recordando que, tal como no tempo de João Baptista, também hoje se assiste à tentativa de encerrar em prisões os que querem anunciar a Palavra de Deus; de facto, uma sociedade que se rege pelo prazer do momento, não gosta de ouvir falar de valores eternos, da dignidade da vida, da verdade; uma sociedade que só dá valor aos bens materiais, não dá valor àqueles que prescindem desses bens para seguir o Ressuscitado, ir a celebrações, mesmo debaixo de chuva. A Igreja continua a proclamar a verdade, mesmo que seja dura, continua a afirmar os valores fundamentais mesmo que inoportunos; tal como João Baptista, a Igreja nunca será uma cana agitada pelo vento, a torcer-se às vontades dos poderosos e às mentalidades dominantes. A Igreja estará bem presente neste mundo, sempre que uma voz diz: “Eu creio, Senhor” e clama neste tempo de Advento “Vem, Senhor Jesus”.

Colocado por Adosinda Alves em 19/12/2010


Ecos da Assembleia de Novembro

No domingo, dia 14 de Novembro, teve lugar a habitual assembleia mensal, com o tema “Santos – Obra do Espírito Santo”. Depois de recordarmos como a acção do Espírito Santo vem actuando na nossa vida através de várias pessoas (Igreja, família, amigos, irmãos do grupo de oração) e em vários momentos (Eucaristia, Crisma, Efusão do E.S.), mais uma vez assumimos o compromisso de sermos, também nós, os instrumentos de que o Espírito Santo se quer servir para agir naqueles que nos rodeiam. Como o barro que sai das mãos do oleiro (no palco, uma criança, um adolescente, uma jovem, um pai e uma avó modelavam um pouco de barro), nós somos a obra-prima saída das mãos de Deus, obra que o pecado desfeou; mas Deus não ficou zangado nem desistiu de nós, antes elaborou um plano de reconstrução: levou o Seu amor à “loucura” de fazer encarnar o Seu Filho para restaurar essa obra. E, tal como o barro por vezes tem de ser novamente amassado para ser refeito, Jesus enviou e continua a enviar o Espírito para nos refazer. Não é o barro que escolhe o que quer ser (jarra, imagem, cruz), é o oleiro que escolhe o que modelar; temos, pois, de nos deixar moldar, de nos deixar trabalhar. Se o Senhor nos chamou a esta ou aquela tarefa, a este ou aquele estado de vida, digamos, como Nossa Senhora: faça-se. Neste mês, em que contemplamos a glória dos santos, aqueles que se deixaram modelar, que sentiram o apertar do Senhor para debelar resistências, o assistente diocesano exortou: barro! não resistas, deixa-te modelar pelo Espírito Santo. A assembleia encerrou com a eucaristia, sempre aguardada com grande expectativa, pois aí o Espírito opera a grande maravilha: tornar Jesus realmente presente no pão e no vinho. Meditando a Palavra proclamada, o assistente diocesano afirmou que, embora haja um ditado que diz “Não há bem que sempre dure nem mal que não acabe”, às vezes temos pouca consciência disso. Assim, é muito fácil vivermos iludidos com o bem que nos está a acontecer como, pelo contrário, deixarmo-nos tomar pela angústia, face a acontecimentos dolorosos. Diante do esplendor do templo, Jesus diz: tudo passa, não ficará pedra sobre pedra. É o que acontece com a fama de um futebolista, o êxito de um cantor da moda, o trabalho de um padre … dias virão; até diante de um fervor religioso em que nos parece já ter encontrado Deus ou diante da exaltação de um amor que parece eterno…dias virão. Mas também quando tudo parece perdido, quando até parece que os nossos se viraram contra nós, quando parece que a Igreja vai desaparecer, que Deus não tem futuro, que o nosso grupo já não tem solução … vem a promessa de Jesus: “Nem um só cabelo da tua cabeça …” Só o Nome de Deus não passa. Por isso, nada te turbe, nada te espante porque, se é verdade que do templo não restará pedra sobre pedra, que os nossos sonhos podem ser destruídos, tem a certeza de que nem um só cabelo da tua cabeça se perderá. Confia em Deus! Só Ele basta! Nada te espante! Se as tuas esperanças não forem alicerçadas em Cristo … tudo passa. Também essa dor, esse problema, essa angústia tem solução em Deus. Certamente, o teu tempo não é o tempo de Deus, mas tem confiança … nem um só cabelo se perderá! E finalizamos com uma oração: Obrigado, Senhor porque me queres na simplicidade da minha confiança em Ti! Eu creio em ti que és Pai e me criaste, no Teu Filho que deste para me refazer e no Espírito que me vai modelando e recriando e renovando a tua igreja. Amen.

Colocado por Adosinda Alves em 20/11/2010


Aniversário Grupo Porta do Céu - Lobão – Feira

Foi uma boa tarde.
Foi boa, porque Domingo, dia do Senhor!
Foi boa porque os irmãos se encontraram e uniram em louvores ao Senhor !
Foi boa essa tarde de Domingo porque houve Eucaristia com o nosso pároco e dois outros sacerdotes, bem como um número simpático de irmãos, vindos dos grupos mais próximos para celebrar mais um aniversário do grupo “Porta do Céu”.
Foi bom porque se percebeu nos rostos dos que aí estiveram a alegria de se encontrarem, a alegria de um ideal comum, a alegria da presença sempre renovada do Senhor Jesus no meio de nós.
Foi boa essa tarde porque na homilia o nosso querido padre Brito nos exortou, como ele sabe, ao louvor, ao bendizer e ao agradecer. Foi bom.
Bendito seja o Senhor. A Ele toda a honra e louvor

Colocado por Administrador em 11/11/2010


Aniversário Grupo S. José - Duas Igrejas - Penafiel

No dia 4 deste mês de Novembro, na Igreja Paroquial de Duas Igrejas em Penafiel, reuniu-se o grupo de oração que tem por orago S. José para festejar o seu sétimo aniversário. Vários irmãos, vindos de outros grupos,, bem como alguns da equipa de serviço diocesano, se juntaram a nós para louvar o Senhor.
Fizemos Eucaristia, fizemos festa e tivemos oportunidade de reviver momentos importantes na nossa caminhada cristã e de renovamento.
O silêncio profundo de vivência interior tomou conta da assembleia reunida e aí se sentiu bem viva a presença do Senhor Jesus e do seu Espírito.
E percebemos quão importante é pôr os olhos e o coração no essencial sem que nos descentremos com pormenores, que pouco valem, diante d´Aquele que tudo vale.
A.V.

Colocado por Administrador em 11/11/2010


ANIVERSÁRIO DO GRUPO DE ORAÇÃO “FERMENTO É ESPERANÇA”

Foi na noite de 19 de Outubro que, em clima de grande alegria, este grupo de oração carismática festejou o seu 31º aniversário. A noite de louvor e acção de graças iniciou-se com o acolhimento dos irmãos de outros grupos que se quiseram associar à nossa festa. A Igreja Paroquial de Paranhos encheu-se de cânticos de animação e louvor, aguardando o momento da celebração da eucaristia, presidida pelo assistente diocesano do RCC e sendo concelebrante o pároco Rev. Pe Martins. Foram lembrados todos os irmãos que passaram por este grupo e que já estão na casa do Pai, especialmente dois irmãos que partiram mais recentemente. Meditando a Palavra proclamada, foi-nos explicado como Jesus, sem rodeios, apontou algumas das exigências para ser Seu discípulo: estar preparado, ter a veste apropriada e a lâmpada acesa. E como, especialmente nestes tempos em que vivemos, ser cristão, procurar uma vida com Deus, é para valentes: estar e permanecer fiel a um projecto de vida cristã, a um grupo, também no RC, exige valentia e esforço, mas sempre na certeza de que vale a pena porque vamos encontrar o Senhor, aumentando a nossa intimidade com Ele; assim esta luta, esta busca de Deus não é penosa mas sim feita com e na alegria. E esse Deus poderoso mas muito próximo e infinitamente generoso não quis deixar que a festa terminasse sem nos dar o Seu presente: a Sua presença amorosa no SSmº Sacramento, que adoramos e glorificamos, de corações cheios de reconhecimento por tantos dons e graças recebidos. E Ele passeou pelo meio do Seu povo, olhando ternamente cada um, fortalecendo-o, como a dizer: eu preciso de filhos valentes e fiéis, permanecei em Mim e levai-Me convosco para a vossa vida. A Ele toda a Honra e todo o Poder! (ver galeria)

Colocado por Adosinda Alves em 29/10/2010


Ecos da Assembleia de Outubro

No domingo, dia 10 de Outubro, realizou-se a 1ª assembleia mensal do ano pastoral 2010/2011, no auditório da Casa Diocesana. Participaram várias centenas de pessoas, dos vários grupos de oração da diocese do Porto, bem como alguns simpatizantes desta espiritualidade. O coordenador saudou todos os irmãos presentes e apresentou o lema proposto para este ano pastoral: “NÃO SABEIS QUE SOIS TEMPLOS DE DEUS E QUE O ESPÍRITO SANTO HABITA EM VÓS?” (1 Co 3,16)”. Seguidamente, o assistente diocesano, Pe. José Alberto Magalhães, manifestou a sua alegria pela presença de tantos grupos de oração, que encorajou a permanecerem fiéis a essa graça; deu também as boas-vindas a todos os que não pertencem a grupos de oração do RCC e fez votos para que os momentos aqui vividos sejam de momentos de graça para todos. Foi de seguida apresentado o grupo de jovens do RCC, que após a encenação dum cântico, projectou imagens dos encontros iniciais de preparação e das várias fases de construção da cruz do RCC, na sequência da actividade “CRISTO NA CIDADE” proposta pela diocese, no âmbito da Missão 2010 e que estará presente na Estação de S. Bento, de 17 de Outubro a 14 de Novembro; foram ainda referidas as actividades que o grupo se propõe realizar, convidando outros jovens a juntarem-se a eles, informando que reúnem todos os meses, nas manhãs do dia da assembleia mensal, às 10h. Como Outubro é o mês do Rosário, e sendo o tema desta assembleia “O ESPÍRITO SANTO E MARIA”, após a invocação do Espírito Santo, rezou-se o terço, sendo cada mistério meditado e ilustrado por quadros vivos preparados por cinco grupos de oração, acompanhando a vida de Maria, exemplo de uma perfeita abertura e docilidade ao Espírito Santo. A assembleia encerrou, como é habitual, com a eucaristia, sempre vivida com grande alegria pela presença amorosa de Deus no meio do seu povo. Na meditação do texto do evangelho(cura dos 10 leprosos), foi-nos recordado que hoje é corrente a visão utilitarista de todas as realidades. A pergunta mais frequente é: para que serve?, qual a utilidade? Que tenho a ver com isso? E tanto serve para o amor, para a oração, para Deus … Foi assim a atitude dos 9 homens que foram tocados pela graça de Jesus, conseguiram o que queriam, a saúde e a integração na sociedade, e então há que não perder tempo, há que gozar o que obtiveram … mas um vê mais fundo, vê a utilidade do que recebeu mas percebe que não é tudo o que Jesus pode fazer, abre o coração ao agradecimento e só ele fica não apenas curado mas salvo. Quantas vezes pedimos a cura, mas pedimos com a mesma insistência para sermos salvos? E ser salvo é deixar-se tocar profundamente por Jesus em todos os aspectos da vida, e isso significa deixar as imperfeições, as limitações, o pecado. E não há outro caminho: é preciso voltar atrás e ouvir Jesus dizer: “LEVANTA-TE E VAI” e não fazer como os outros que dispararam a correr, afastando-se de Jesus ao encontro de outros interesses. Melhor que dizer: Senhor, cura-me é dizer Senhor, salva-me. E, concluindo, o assistente diocesano fez um voto: Oxalá hoje Jesus diga a cada um de nós as palavras que disse ao samaritano:”LEVANTA-TE E VAI, A TUA FÉ TE SALVOU!”

Colocado por Adosinda Alves em 15/10/2010